World Clocks

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

SHANTALA


BEBÊ FELIZ

Bruno completou 45 dias de uma linda vida. Pesa 4,800 kg e mede 57 cm. É um bebê muito calmo e já começa a dar sinais de que nos conhece e, em alguns momentos, parece nos sorrir.
Esta semana, sua mãe deu início a terapia de massagens corporais - shantala - e ele tem gostado muito. Fica atento e silencioso, enquanto as mãos de sua mãe, suavemente, massageiam seu abdome, braços, mãos, pernas, pés, costas, rosto, ao som da música de Jack Johnson. Logo depois, é levado ao um banho morno. Cheiroso e relaxado, mama e dorme. Desde que iniciou a terapia não tem tido cólicas. Bruno continua com sua terapia floral, e, atualmente, é-lhe ministrado a essência Aspen, do elenco das essências dos florais de Bach. Aspen é indicado para sensações de medo de coisas novas (tal como uma nova vida). A seguir, resumo de algumas informações colhidas na internet e editadas, sobre as duas terapias.


O QUE É SHANTALA

É uma massagem milenar do sul da Índia que é passada oralmente de mãe para filha. Lá são só as mulheres que fazem a massagem nos bebês, por uma razão exclusivamente cultural. Sua “descoberta” no ocidente aconteceu quando o médico francês Frédéric Leboyer, de passagem pela Índia, se deparou com a cena de uma mulher a massagear seu bebê. Seu nome era Shantala, ela era paralítica e estava numa associação de caridade em Pilkhana, uma favela de Calcutá.

O ambiente que Leboyer percorrera até então era completamente hostil, mas a cena da massagem fez com que a beleza e harmonia dos movimentos de Shantala transformasse tudo a sua volta. Registraria, então, em 1995:
“O horror das ruas sórdidas que percorrera, dos pardieiros avistados, havia sumido por completo.Eu estava cego de tanta beleza e amor. Na verdade, o Sol, numa explosão, fizera voar tudo em esplendor e iluminava a alegria por toda parte” .
BRUNO INICIANDO A SHANTALA



Durante dias Leboyer acompanhou a massagem de Shantala em seu bebê, captando atentamente cada movimento. Após alguns dias de observação, finalmente foi fotografá-la. Leboyer fez o possível para que as fotografias exprimissem a profundidade e o amor envolvidos.
Em homenagem à essa mãe, Leboyer deu o nome da técnica de massagem em bebês de Shantala. Na Índia, essa prática não tem um nome específico, pois trata-se de uma atividade que faz parte dos afazeres diários das mães.

Leboyer fez um lindo e poético livro, que lançou em 1976, todo ilustrado com detalhes fazendo toda a seqüência da Shantala. Em 1978 introduzi essa massagem no Brasil.

A Shantala destina-se a recém-nascidos a partir de 1 mês de idade aproximadamente, sendo que não há limites para começar e continuar. Trabalha especialmente a relação mãe/bebê (que também pode ser pai/bebê), relaxando a criança, eliminando tensões, bloqueios, aliviando cólicas. insônias, enfim equilibra todo o Sistema Nervoso, Energético e Emocional. Trás segurança e auto-estima, a criança se sente amada. Pode e deve ser usada como prevenção de neuroses e doenças e aumenta o Sistema Imunológico.

OLHOS NOS OLHOS

Dirigido a todas as crianças com desenvolvimento no padrão normal, para aprimorar a relação com os pais, também, pode ser aplicado adequadamente em bebês que tenham tido traumas de nascimento, com carência afetiva, com problemas neurológicos e até nos casos de diversos comprometimentos, sendo que nesses casos a aplicação da massagem deve ser individualizada, isto é, adequada a cada situação e complementar a outros recursos terapêuticos.
INTEGRAÇÃO TOTAL

Os Chackras e os nadis dão a direção e seqüência dos movimentos. Há um ganho importante no toque, no carinho, no amor, na relação mãe/bebê, mas, não se pode esquecer que outra parte importante é a maneira correta de aplicá-la para que todos os benefícios sejam alcançados. A direção dos movimentos, a seqüência e a concentração fazem parte constante dessa prática, assim como, a conversa não-verbal, o olhar, o olho no olho irá desenvolver outro tipo de relação mãe/filho.
OS BRACINHOS TAMBÉM...
Ao fazer a massagem, que abrange grande parte do corpo, massageia-se, também, num nível mais sutil, os canais de energia. Pode-se fazer analogia com os meridianos da acupuntura, pois, também, trabalha-se toda a musculatura, o sistema nervoso, as articulações proporcionando desbloqueios energéticos e físicos, alongando, enfim produzindo um equilíbrio em todos os níveis.
MÃOZINHAS...

A Shantala deve ser feita num ambiente calmo, silencioso ou com uma música bem tranquila (de preferência sempre a mesma), instrumental ou "new-age". Assim como é importante a ambientação, também a preparação do bebê e da mãe, ou de quem vai aplicar a massagem.

O bebê não deve estar de estômago cheio, nem vazio, não ter a sensação de frio ou excesso de calor. Deve estar predisposto e participativo. É uma troca energética. De forma alguma deve ser imposta. É uma massagem prazerosa e ele vai descobrir isso e passar a gostar esperando a cada dia por ela. É importante que seja diária, podendo ser feita até duas vezes ao dia, sempre diurna, sem quebrar o ritmo do bebê, muito pelo contrário, auxiliando-o no ajuste deste ritmo, proporcionando uma auto-regulação. A melhor hora é aquela em que o bebê está de acordo com estas pré-condições e não a hora imposta pelo adulto.
NAS COSTAS...
... E O ROSTINHO?
O adulto que vai aplicar a massagem também deve se preparar já que a criança é muito receptiva e é necessário que o adulto esteja bem disposto, relaxado, procurando se abstrair de todos os problemas, ansiedades, para que não passe isso pelo seu contato com o bebê.
AGORA É HORA DO ALONGAMENTO...

Um bom banho antes também é interessante. Para que a massagem seja muito mais prazerosa ela é feita com um óleo vegetal. Na Índia é tradição o óleo de côco no verão e de mostarda no inverno. Aqui adaptamos no inverno o óleo de amêndoas, que preserva mais o calor na pele. O importante é que o óleo seja vegetal e não mineral e esteja pré-aquecido (levemente). O óleo vai ser um ótimo condutor dos movimentos, evitando atritos na sensível pele do bebê. O óleo deve ser totalmente puro e natural, isto é, sem químicas ou perfumes. A criança vai absorve-lo pelos poros e também possivelmente levará as mãos a boca.

No final da sequência dos movimentos, complementando, temos exercícios que são mais semelhantes ainda ao hatha-yoga, trabalhando a respiração, circulação sangüínea e as articulações, proporcionando perfeitos alongamentos que o bebê vai adorar. São mais dinâmicos.

Complementando tudo, dá-se um banho que vai trazer relaxamento a áreas difíceis, onde as mãos não puderam ter acesso, pois, o elemento água é por si só um elemento purificador. Ao submergir o bebê numa água morna completa-se o relaxamento, deixando-o simplesmente submerso o tempo que ele desejar, trazendo a sensação da vida intra-uterina. A água atuará onde não secconseguiu atingir com as mãos. É perfeitamente natural que, após o relaxamento proporcionado, o bebê durma horas a fio.

A criança que é massageada por essa técnica milenar se sentirá amada e, portanto, ficará mais segura. Terá suas tenções aliviadas, e, com isso, terá suas cólicas aliviadas ou eliminadas; relaxará muito e conseqüentemente dormirá melhor. O desenvolvimento psicomotor será ativado, tornando-a uma criança calma, tranqüila, ao mesmo tempo ativa e inteligente. Principalmente, as crianças com traumas de vida intra-uterina e nascimento e com carências diversas, são as que mais necessitam deste toque mágico.

O poder das mãos é incontestável, o tato, dissolvendo todas as tensões, o calor humano. Por isso é importante que a massagem seja feita com o bebê sobre o corpo de quem a faz, sobre as pernas para que ele se sinta protegido dentro do corpo áurico da mãe. Teremos assim, futuros adultos mais equilibrados, mais harmonizados com o mundo e consigo mesmo.
(texto editado a partir do site http://energiadivina.br.tripod.com/shantala.htm)


Bebê massageado, hora do banho.


O QUE SÃO FLORAIS


Florais de Bach - Os Florais de Luz do Futuro

"A vida não nos exige sacrifícios inatingíveis; ela nos pede que façamos nosso caminho com alegria no coração e que sejamos uma bênção para os que nos rodeiam, de forma que, se deixarmos o mundo apenas um pouquinho melhor do que era antes da nossa visita, teremos cumprido a nossa missão." (Dr. Bach)

Quando nos sentimos bem, realizados e felizes, estamos em equilíbrio com tudo e conseguimos transmitir aos nosso familiares e amigos somente bons fluidos. Com os acontecimentos da vida, às vezes precisamos de um pouco de ajuda para alcançarmos este equilíbrio e seguirmos em
frente.

Criados por um médico inglês nos anos 30 ( nada têm de exotérico ou bruxaria ) os Florais de Bach são 38 essências de plantas e florais que podem auxiliar no equilíbrio das pressões emocionais do dia-a-dia. Cada floral é indicado a uma emoção específica. Pode ser tomando individualmente ou misturado de acordo com o que estiver sentindo.

Pesquisas recentes sobre as emoções e o sistema imunológico reforçam o ponto de vista de que a saúde emocional e a saúde física estão relacionadas.Cada vez mais, peritos médicos concordam que uma mente saudável garante realmente um corpo saudável. Os Florais de Bach podem ajudar a controlar os sentimentos para que se aproveite com maior integridade a vida.

De Onde Vêm Os Florais de Bach

Edward Bach foi um médico de Harley Street, bacteriologista e pesquisador bem conhecido. Identificou 38 estados negativos da mente e criou uma essência floral ou de planta para cada um. Passou os últimos anos de sua vida num pequeno chalé chamado Mount Vernon e foi ali que ele concluiu suas pesquisas. Hoje Mount Vernon é mais conhecido como The Bach Centre (O Centro Bach) e os atuais responsáveis continuam a produzir as tinturas mãe (o primeiro processo na elaboração dos Florais) utilizando em muitos casos os mesmos locais identificados por Dr. Bach nos anos 30.

Como Escolher O Floral de Bach Adequado

Reconhecer exatamente como estamos nos sentindo é a chave para a escolha do Floral de Bach mais apropriado. Depois, deve-se selecionar qual essência encontra-se relacionada ao estado de espírito apresentado. É bem verdade ser muito difícil ter-se sinceridade com os próprios sentimentos e admitir as póprias fraquezas. Quando conseguimos analisar e entender do que realmente precisamos, já é meio caminho andado para equilibrar nossas emoções.

O Dr. Bach descobriu que existem sete grupos emocionais gerais, nos quais se baseou para classificar 38 essências individuais, cada uma das quais relacionadas com um estado emocional específico.

Medo: Rock Rose, Mimulus, Cherry Plum, Aspen, Red Chestnut

Incerteza: Cerato, Scleranthus, Gentian, Gorse, Hornbeam, Wild Oat

Falta de Interesse no mundo à sua volta: Clematis, Honeysuckle, Wild Rose, Olive, White Chestnut, Mustard, Chestnut Bud

Solidão: Water Violet, Impatiens, Heather

Essências Florais para os que são susceptíveis a influência e idéias alheias.: Agrimony, Centaury, Walnut, Holly

Desalento ou desespero: Larch, Pine, Elm, Sweet Chestnut, Star of Bethlehem, Willow, Oak, Crab Apple

Preocupação exagerada pelo bem-estar dos outros: Chicory, Vervain, Vine, Beech, Rock Water


Quem Toma os Florais de Bach

Os Florais de Bach são completamente naturais e podem ser utilizados por toda a família, ou até em plantas e animais, pois sua ação é suave.

Os Florais de Bach podem ser tomados com a frequência que desejar. Se estiver se sentindo indisposto, poderá utilizar apenas uma dose. Mas se a indisposição persistir por algum tempo, poderá tomá-los quando necessário. Geralmente, toma-se com a regularidade de 4 vezes ao dia. Se necessário, as gotas de Florais de Bach podem ser administradas puras, diretamente na língua ou, se preferir, passar nos lábios, por detrás das orelhas, nas têmporas ou pulsos, ou por intermédio de spray.

RESCUE - a essência emergencial

A jornada da vida pode ser comparada como andar na corda bamba, embora geralmente estejamos equilibrados, calmos e focados, em muitas ocasiões a vida nos traz surpresas que nos tiram do equilíbrio.
Há mais de 70 anos, um médico da Harley Street, Dr. Edward Bach, percebeu a necessidade de tratamento emergencial para ajudar as pessoas a lidar com tais situações estressantes do dia-a-dia e criou o Rescue. Ainda hoje é preparado exatamente conforme as suas orientações. O Rescue é uma essência emergencial para proporcionar equilíbrio e calma interior. É o relaxante que se pode usar a qualquer hora e em qualquer lugar.

O Rescue é totalmente natural e contém cinco dos 38 Florais de Bach Originais; o Rock Rose para pavor e pânico, Impatiens para a irritação e impaciência, Clematis para a desconcentração, Star of Bethlehem para o choque e Cherry Plum para pensamentos irracionais.

Forma de uso: O Rescue Spray é fácil de usar, de 2 borrifadas na língua e o Rescue em gotas coloque 4 gotas na língua ou em um copo de água. Experimente o Rescue Cream, é uma pomada de efeito balsâmico que hidrata, amacia e ajuda a manter em boas condições a pele do corpo inteiro, alivia queimadouras, picadas de insetos, pequenos ferimentos.

Literatura Disponível
Os Remédios Florais do Dr. Bach Incluindo O Cura-ti a ti mesmo Edward Bach - Ed. Pensamento
Participando da Vida Com Os Florais de BachCarmen Monari - Ed. Roca


Os Remédios Florais de Dr. BachPasso a PassoJudy Howard - Ed. Pensamento
Terapia Floral do Dr. BachTeoria e PráticaMechthild Scheffer - Ed. Pensamento


Florais de BachPerguntas e RespostasJohn Ramsell - Ed. Campus
Manual Ilustrado Dos RemédiosFlorais do Dr. BachPhilip N. Chancellor - Ed. Pensamento


Crescendo Com As EssênciasFlorais de BachJudy Howard - Ed. Aquariana
O Despertar da Alma Com OsFlorais de BachCarmen Monari - Ed. Roca
(informações editadas do site: http://www.floraisdebach.org/)

Um comentário:

  1. Muito ZEN este meu sobrinho, se continuar assim ele vai atingir o NIRVANA logo logo.
    Bjs
    Fabi

    ResponderExcluir